COMBATE MILITAR


COMBATENTES

domingo, 4 de maio de 2014

SEGURANÇA PÚBLICA - A Grande Culpada

A sociedade brasileira está sendo enganada com o falso discurso sobre a segurança pública no Brasil.
Os especialistas de plantão dizem que o modelo de segurança pública atual está falido, que é necessário realizar mudanças no setor, mas eles, os especialistas, não apontam as várias mudanças que aconteceram nas leis que deixaram o criminoso mais livre para cometer crimes e a polícia mais presa para evitar os crimes.
A segurança pública é de responsabilidade dos Estados da Federação, porém, as leis que mandam prender ou mandam soltar o criminoso são feitas pelo país, pelo Congresso Nacional.
Nos últimos oito anos, o Congresso Nacional criou várias leis que beneficiam o criminoso e limitam a ação policial.
Leis que dão tratamento especial aos infratores, como aquelas que obrigam o usuário de drogas e o pequeno traficante realizarem trabalhos comunitários ou pagarem cesta básica ao invés de irem para a cadeia;
Leis que não permitem a prisão provisória de criminosos, cuja pena dos crimes seja menor que quatro anos, como nos casos de ameaças, furtos, agressões...  Com todos esses ingredientes a favor da criminalidade, o óbvio aconteceu: o aumento assustador da violência.
Enquanto isso, as Polícias Civil e Militar estão cada vez com menos efetivo e equipamentos a altura de combater os criminosos. E depois esses especialistas vem me dizer que o culpado de tudo isso é o sistema de Segurança Pública?
Elogiamos muito a segurança pública dos países ricos, porém, se pegarmos as nossas leis brasileiras e mandarmos aplicá-las na Inglaterra, na França, na Alemanha ou nos Estados Unidos , com certeza iremos destruir  a segurança publica deles.

O sistema de segurança pública do Brasil não está falido. Não! Ele não foi feito para funcionar com leis brandas, as que existem hoje, e, sim, Ele foi feito para funcionar com leis mais severas, como aquelas que tínhamos 30 anos atrás, quando podíamos sair de casa e passearmos tranquilamente pelas ruas e praças sem sermos abordados por criminosos acima da lei.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

MOEDA DE TROCA



Abraham Lincoln foi o presidente dos EUA que lutou contra a união dos banqueiros europeus com os banqueiros americanos, para formarem o hoje conhecido Federal Reserve Bank. Os banqueiros não conseguiram a tal união... Lincoln foi assassinado. 
Em 1913, o Federal Reserve Bank foi criado com o apoio de Thomas Woodrow Wilson que foi presidente dos EUA de 1913 a 1921. Woodrow Wilson também apoiou a criação da Liga das Nações de interesse dos banqueiros do Federal Reserve Bank, para "facilitarem" as duas Grandes Guerras Mundiais e garantir vantagens econômicas, Hitler que o diga (agradece), apesar de ter recebido muita ajuda financeira de Stálin, com o sacrifício da Ucrânia, antes do dia 1 de setembro de 1939.
Então, Lincoln, indiretamente, tentou evitar a Segunda Guerra Mundial e milhões de vidas humanas seriam poupadas.
A Guerra Fria nasceu e virou uma fábrica de dinheiro, mas uma das partes não conseguiu se manter e o grande negócio desmoronou e o terrorismo a substituiu através de uma entrada magistral, imperativa, ameaçadora, aniquiladora, a partir de onze de setembro de dois mil
Hoje, o terrorismo é a "inspiração" perfeita para se criarem novas leis de restrição de liberdade ou dar aos governos, um direito que eles não tem, como o de espionar e-mail, celular, sua casa, sua vida... São os novos tempos, melhor, uma nova ordem que se estabeleceu no mundo. 
Um conselho: nunca diga a palavra terrorismo ou a encaixe em um do seus comentários, dentro de aeroportos, pois podem confundir as coisas e você será impedido de embarcar. 
Alguém pode tentar fazer isso e depois nos contar o que aconteceu.
Você quer tentar?




quinta-feira, 29 de agosto de 2013

A SAÚDE IDEOLÓGICA


A maneira dos ativistas marxistas incutirem no brasileiro a ideologia comunista sem que ele e o seu grupo social percebam é o grande trunfo do movimento socialista na 
América Latina.
Cada brasileiro, contaminado, com a ideia comunista, através do marxismo cultural, acredita que suas atitudes no dia a dia nascem dele sem perceber que o seu comportamento e pensamento acontecem em função da sua visão distorcida das coisas, provocadas nele, pelos ativistas ideológicos. Então, usando o poder de escolher entre o certo e o errado, conforme o seu livre arbítrio, ele manifesta sem perceber, as idéias de mudanças dos ativistas ideológicos, para dentro do seu grupo social, fazendo todos acreditarem que as idéias de mudanças sociais são originárias do grupo, porém na realidade, essas mudanças estão vindo de fora para dentro do grupo.
O processo acima também é um processo de desinformação, quando o governo usa sua fonte de confiança (relatórios e pareceres técnicos do Estado) se passando por seu próprio inimigo, para divulgar algo contra ele mesmo, que o obrigará a tomar medidas que gostaria de tomar sem passar pela opinião pública.